Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

DESPORTO ALMADA BLOG

INFORMAÇÃO DESPORTIVA - CRÓNICAS - REPORTAGENS - ENTREVISTAS E RESULTADOS . PARA O - EMAIL JOAQUIM.REPORTER@GMAIL.COM

DESPORTO ALMADA BLOG

INFORMAÇÃO DESPORTIVA - CRÓNICAS - REPORTAGENS - ENTREVISTAS E RESULTADOS . PARA O - EMAIL JOAQUIM.REPORTER@GMAIL.COM

Chegamos ao limite, durante anos lutamos sozinhos, apenas contando com a ajuda de pais e alguns parc

70284547_2121651828138760_70471535629959168_n.jpg

Basket Almada Clube(BAC), uma força do basquetebol no concelho de Almada,no Distrito de Setúbal e a nível Nacional. 

Carta aberta ao Dr. João Couvaneiro
 
O Basket Almada Clube ( BAC ) vem, na figura da sua direcção, expressar o seu descontentamento pelas dificuldades, entraves e aparente desinteresse como as necessidades básicas do nosso clube vem sendo tratadas por parte dos responsáveis do pelouro. O BAC tem cerca de 20 anos de existência e nasceu do esforço e conjugação de vontades que de forma inovadora e visionária uniram pequenos núcleos de basquetebol de diversas colectividades no intuito de criar um clube agregador, pujante e verdadeiramente representativo, aos mais diversos níveis, da nossa Cidade e Concelho.
 
Desde a primeira hora que o Complexo Municipal de Almada albergou uma equipa de basquetebol que, não sendo do Concelho, para aqui trouxe o basquetebol ao mais alto nível competitivo e empolgantes jornadas de basquetebol do mais alto patamar do desporto nacional brindando os Almadenses com grandes espectáculos e desenvolvendo nos mesmos o gosto por esta modalidade.
 
Terminado esse projecto e aproveitando o gosto e dinâmica desenvolvido pelo basquetebol no Concelho nasceu o BAC que desde a primeira hora utilizou o complexo até porque, findo o anterior projecto, o mesmo ficou sem actividade regular que estivera, até então, entregue ao anterior utilizador. Desde a primeira hora os dirigentes do BAC desenvolveram um contínuo e abnegado esforço para fazer do BAC uma referência a nível desportivo e social.
 
À força de muito trabalho e muito esforço, sem qualquer compensação que não fosse o orgulho de solidificar um projecto da cidade e para a cidade, dando uma enorme fatia do seu tempo de lazer e convívio com família e amigos os dirigentes, sócios, atletas e pais fizeram o BAC crescer consistentemente tornando-se no maior clube da Associação de Basquetebol de Setúbal e um dos maiores a nível nacional com todos os escalões em competição e alcançando o estatuto de Clube formador, duas situações que partilha com um reduzido número de clubes nacionais e que é, para nós, um natural motivo de orgulho. Mercê da competência e qualidade dos seus quadros técnicos e directivos foi ainda possível ser reconhecidos pelo IPDJ que nos concedeu licença para a realização de campos de férias. Há cerca de vinte anos que vimos trilhando um caminho que contribuiu de forma indelével para a formação desportiva e social de milhares de jovens do nosso Concelho, milhares de jovens tiveram contacto com o desporto e as suas virtudes tornando-se atletas BAC, frequentando os nossos campos de férias e os nossos torneios 3X3.
 
No BAC jovens de famílias carenciadas puderam praticar desporto regular através da nossa politica de aceitação de jovens abrangidos pelo programa SASE através de significativas reduções nas mensalidades iguais ás praticadas nas escolas. No BAC desenvolvemos, com Juntas de freguesia e associações de pais, um projeto de basquetebol nas escolas que possibilitou que cerca de 600 crianças de escolas básicas tivessem contacto com o basquetebol, neste projeto sinalizamos famílias carenciadas e organizamos, no clube, recolhas de alimentos para doação direccionadas a esses casos estendendo esse conceito a outros projetos de recolha de alimentos e apoio a associações de solidariedade social do nosso Concelho.
 
Há cerca de vinte anos que trabalhamos incansavelmente para os jovens e para o nosso Concelho e levamos o nome da cidade e do Concelho aos mais variados os longínquos locais deste País sem que tivéssemos tido até hoje qualquer ajuda da CMA, percorrendo o País em competição, e outros eventos desportivos, variadas vezes verificamos o transporte de atletas de outros concelhos em transportes cedidos pelas autarquias, com inscrições de grande dimensão, a assinalar a sua presença sem que nós tivéssemos tido uma vez, uma só vez, o privilégio de levar assim o nome da nossa cidade e Concelho a outros locais do País.
 
Durante cerca de vinte anos variadas vezes tivemos de andar com a casa ás costas, literalmente, com a casa ás costas, para que os nossos jovens pudessem continuar a praticar desporto pois, inúmeras vezes somos relegados para plano secundário para que o complexo seja usado por entidades muitas vezes sem qualquer relação com o desporto.
 
Sempre aceitamos as decisões e orientações da CMA e nos adaptamos constantemente mas, por tudo o que somos e representamos e pela postura que sempre adoptamos não podemos deixar de repudiar, com veemência, a assinalável degradação das condições que ultimamente, de forma acentuada, vem sendo impostas a este clube, é que, sr. responsável pelo desporto na autarquia, o esforço que fazem pais, atletas e dirigentes para permitirem que os jovens de Almada possam praticar desporto de qualidade e assim desenvolvam também uma sadia atitude social merece respeito uma vez que compete á autarquia proporcionar á população a possibilidade de prática regular do desporto em instalações minimamente aceitáveis para a sua prática e quem, efetivamente, dá essa possibilidade aos jovens são os clubes e o esforço dos seus dirigentes, a CMA apenas gere as instalações que são de todos e todos pagamos.
 
Os dirigentes BAC não gerem só um clube com a dimensão anteriormente esplanada como utilizam o seu tempo, que deveria ser de lazer, para trabalhar, sem qualquer remuneração, para manter em funcionamento um clube que nunca teve qualquer apoio camarário e que se vêem, por alheamento e falta de diálogo da CMA a utilizarem diariamente as suas viaturas para andarem a distribuir material de treino pelos pavilhões espalhados fisicamente pelo Concelho e tendo, em resultado da sua atividade, avultados prejuízos também monetários.
 
Chegamos ao limite, durante anos lutamos sozinhos, apenas contando com a ajuda de pais e alguns parceiros que nos vêm ajudando nesta longa caminhada, com a total indiferença da CMA mau-grado tudo o que construímos, e nos termos tornado uma referência desportiva e social, e levarmos o nome Almada a todo o lado habituamo-nos á indiferença e á ausência de apoio. Como saberá outros Concelhos, alguns bem próximos do nosso, apoiam de forma sistemática e acentuada os seus principais clubes de basquetebol içando-os assim ao mais elevado patamar do desporto nacional e dessa forma elevam o nome dos seus Concelhos no mesmo patamar.
 
Recentemente o sr. responsável pelo desporto afirmou conhecer tudo sobre o BAC, temos dúvidas, por isso vamos só relembrar que apesar de tudo o que atrás ficou expresso O BAC já várias vezes esteve muito perto de conseguir a subida da sua equipa sénior masculina ao segundo mais elevado patamar do basquetebol nacional com quase exclusividade de atletas da formação e competindo com equipas que se reforçam regularmente com vários atletas, muito deles de nacionalidade estrangeira, e na época anterior a esta última, quando estávamos numa fase crucial para a subida de divisão, mais uma vez, como tantas tem acontecido, a CMA privou-nos da utilização do pavilhão onde treinávamos e sem qualquer alternativa, sabe onde fomos recebidos? num Concelho vizinho, sem comentários. esta última época, em que mais uma vez disputamos a subida, tivemos de nos deslocar a Portimão para um jogo decisivo, solicitamos á CMA ajuda na deslocação a Portimão e, como sempre a resposta foi curta e clara: Não!.
 
Perdemos esse jogo crucial por dois pontos, sem um atleta que não se pôde deslocar por motivos de trabalho, outros que se encontravam lesionados, e outro que se lesionou aos dois minutos de jogo. O Portimonense que em Portimão nos venceu por dois pontos foi campeão nacional na nossa divisão e nós, com jogadores de formação, provavelmente não o fomos, não porque perdemos por dois pontos, mas talvez, porque tivemos de pagar cerca de 700 Euros de deslocação enquanto nas duas deslocações que fizeram a Almada o Portimonense se tenha feito transportar em viatura da autarquia e por isso quando os defrontamos em Portimão já se tinham reforçado com dois jogadores de elevada qualidade, um deles americano. Contamos-lhe isto como o nosso humilde contributo para que não perca nada sobre o BAC que tão bem disse conhecer.
 
Hoje devemos dinheiro á CMA segundo nos comunicaram porque após realizar para a Câmara vários campos de férias, nos quais a CMA apenas deu o nome, pois todo o imenso trabalho de organização, recrutamento, meios humanos e materiais, pagamentos, seguros, segurança social forma tratados pela estrutura BAC a CMA lembrou-se que as faturas não cobriam na totalidade as despesas fazendo tábua rasa de todo o trabalho efetuado.
 
Hoje temos três pavilhões para onde fomos empurrados andando a correr de uns para outros com distribuição diária de meios, a CMA após nos informar que poderíamos começar os treinos a 30 de Agosto avisa-nos, ás 17H30, do mesmo dia que afinal só poderíamos começar a 1 de Setembro. Os seniores masculinos com o inicio da competição para breve, e após fazerem um treino no Monte da caparica, são inopinadamente avisados que o pavilhão ia encerrar para obras no piso ficando os treinos suspensos tendo havido atletas que interromperam as fèrias para iniciar os treinos, com treinos marcados para sábado de manhã somos informados em cima da hora que afinal sábado não há treinos por falta de funcionário.
 
Hoje dos três pavilhões cedidos, um está encerrado para obras, outro não tem água e por isso também tem restrição ao uso de sanitas e uma das tabelas para campo inteiro está inoperacional, finalmente o terceiro tem piso inadequado á prática do nosso desporto e encontrava-se completamente sujo, situações para que foram de imediato alertados, quando se iniciaram os treinos o pavilhão estava no mesmo estado de limpeza, um pombo morto encontrava-se dentro do espaço e pesadas mesas de ténis de mesa encontram-se em cima das linhas do espaço de treino e uma delas completamente dentro de um desses espaços.
 
Embora insistentemente contactada a CMA para a tentativa de resolução, em tempo útil, de todas estas situações sendo mesmo proposto a tentativa de utilização de outros espaços não houve nunca qualquer tentativa de diálogo sério e profícuo sendo o BAC constantemente confrontado com comunicações inesperadas que tem vindo a constituir um enorme entrave ao regular funcionamento do clube. Por tudo o que ficou expresso sobre o que somos e quem somos, pela falta de diálogo e de soluções queremos manifestar o nosso total repúdio pelo enorme prejuízo que tal tem acarretado para o BAC com a perda de atletas e o descontentamento dos pais face ás deploráveis condições de treino e constantes mudanças de locais e horários.
 
Um clube que vê os seus atletas obrigados a procurar outras paragens para treinar e os pais incomodados com toda a situaçaõ por total inoperância, desinteresse e falta de diálogo por parte daqueles que tem a obrigação legal e moral, e que para isso existem, de tudo fazerem para lhes proporcionar as melhores condições possíveis e ouvirem, respeitarem e dialogarem com quem não deixa morrer os sonhos e tudo faz, sem contrapartidas, para o tornar possível não pode ser um clube feliz...Dissemos o essencial, muito mais haveria a dizer, queremos que continue informado, para que nada lhe escape sobre o BAC, e continue bem informado sobre nós como fez transparecer, da nossa parte nada será escondido ou omitido.
 
Exigimos respeito, interesse e diálogo por uma causa que é maior que nós todos. da nossa parte não deixaremos morrer o sonho por isso vamos continuar como até aqui iguais a nós próprios, dirigentes, pais, atletas e parceiros, continuaremos esta luta enorme mas aliciante pelos nossos jovens, pelo desporto, pela cidadania e por Almada.
 
Respeitosamente
 

99131849_2324642711173003_4256512400804544512_n.jp 

 
A Direção